A Audioterapia e sua Origem

Há muito tempo pesquisa-se sobre técnicas que não sejam tão invasivas para estimular os pontos nos canais de energia (meridianos). Várias técnicas são consideravelmente eficazes a ponto de estabelecer harmonia em tratamentos tanto quanto as famosas agulhas de acupuntura. Dentre várias ferramentas que visam promover esta busca pela harmonia, encontramos também, o uso do Som nos pontos de acupuntura, através de diapasões que, acompanhados ou não de outras técnicas e instrumentos podem promover efeitos terapêuticos através dos sons.

Existem manuscritos que mencionam a utilização do som como base de tratamento, mas não descrevem a técnica utilizada com precisão, embora relatem a utilização de freqüências sonoras e de notas em substituição às agulhas de acupuntura, por exemplo. Poucas pessoas trabalham com essas técnicas hoje, principalmente quando diapasões terapêuticos são utilizados junto com outros instrumentos que promovem sons. Chamada de Audioterapia, esta técnica aborda não apenas os diapasões numa sessão, mas a complementação com outros instrumentos desde os “Bins” a até símbalos, gongos, tigelas tibetanas, tubos sonoros e até a vocalização de sons (KOTOTAMA) dentro da perspectiva terapêutica.

O som tem a capacidade de harmonizar profundamente o Chi, mas deve ser utilizado de forma coerente e por pessoas que conheçam tanto a técnica como bases filosóficas dentro da abordagem em que os instrumentos serão utilizados.

A Audioterapia é a utilização do som como base de alinhamento energético dentro das possibilidades terapêuticas encontradas nos instrumentos que promovem tons e sons, na busca da melhoria do estado físico, psíquico, emocional e da qualidade de vida das pessoas que buscam este tipo de tratamento alternativo.